Páginas

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Escolas do Rio homenageiam artistas

Sete escolas de samba desfilaram neste domingo pelo Grupo Especial do Rio, das 13 que disputam o título de campeã do Carnaval. As apresentações aconteceram no sambódromo da Marquês de Sapucaí, e começaram às 21h.

A Renascer de Jacarepaguá foi a primeira a desfilar. Campeã do grupo de Acesso em 2011, a escola coloriu a Sapucaí este ano em homenagem ao artista plástico pernambucano Romero Britto.

“A gente vai dar vida à obra de Romero com muito movimento e colorido. Para driblar a poluição visual, que foi a nossa maior preocupação, vamos seguir uma ordem cromática para que tudo funcione bem”, disse o carnavalesco da escola Edson Pereira.

Em seguida a Portela entrou pela Sapucaí, com um enredo sobre a cantora Clara Nunes, que completaria 70 anos em 2012.

O carnavalesco Paulo Menezes, que estreia na agremiação este ano, investe em festas típicas da Bahia como a lavagem do Bonfim e de Bom Jesus dos Navegadores. Clara Nunes sempre vendeu a imagem do candomblé baiano para o mundo.

A Imperatriz Leopoldinense foi a terceira a desfilar, com um enredo sobre Jorge Amado. Personagens como Gabriela, Dona Flor e Perpétua foram representados. “”Quero destacar o tema porque Jorge Amado marcou muito a minha vida desde a adolescência. Fico emocionado em homenagear esse grande escritor que é uma fonte de cultura para o mundo todo”, conta o carnavalesco Max Lopes.

Já a Mocidade Independente, a quarta a entrar na Sapucaí, homenageou o pintor Cândido Portinari com um desfile de fantasias coloridas pintadas com giz de cera, no sambódromo carioca. “A filosofia do enredo teve como base o símbolo da Mocidade: uma estrela. Quando jovem, Portinari pintou estrelas no teto de uma igreja no interior de São Paulo. Isso será representado na avenida”, disse o carnavalesco Alexandre Louzada.

Depois entrou na avenida a escola Porto da Pedra, que falou sobre o iogurte. “Os primeiros aromas de iogurte surgiram na França e é dentro desse contexto que a gente leva a história do iogurte para a avenida”, disse o carnavalesco Jayme Cezário.

Campeã do Carnaval carioca em 2012, a Beija-Flor apresentou na Sapucaí um enredo sobre São Luís do Maranhão. Segundo a direção da agremiação, o desfile teve cinco toneladas de búzios. Milhares de conchas foram usadas em alegorias e fantasias que retratam a escravidão.

A Unidos de Vila Isabel, foi a última a se apresentar neste domingo, quando o dia já estava raiando, falando sobre Angola. O destaque foi o padrão dos tecidos angolanos, que estará presente por todo o desfile, até mesmo numa alegoria que representa um enorme embondeiro (baobá), árvore símbolo de Angola.



RENASCER

A Renascer inaugurou o corredor da folia, com o enredo “O Artista da Alegria dá o Tom na Folia”, a escola garante espantar de vez o fantasma do rebaixamento com um desfile grandioso, impactante e com a cara e os traços do pintor.

Estreante no Grupo Especial do Rio e primeira escola a desfilar na noite de hoje, a Renascer de Jacarepaguá tem objetivos modestos. O carnavalesco Edson Pereira afirmou que, apesar das dificuldades, a Renascer vai fazer um ótimo Carnaval e que a meta é se manter no Grupo Especial.

A agremiação apresenta em seu abre-alas - de 60 metros de comprimento - a criação e a luz divina. Segundo o carnavalesco, a obra de Romero tem a cara do Com movimentos e grandes esculturas, a Renascer desfila com 34 alas, sete carros alegóricos e um total de aproximadamente 3.500 componentes.



PORTELA

Um dos desfiles mais emocionantes e que levantou o público foi da Portela, uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio, que homenageou neste Carnaval a cantora Clara. Se estivesse viva, a artista completaria 70 anos em 2012. Por isso, ela foi anfitriã do desfile, vivida pela cantora Vanessa da Matta. O enredo lembra que Clara Nunes é a grande responsável por levar a Portela até a Bahia para conhecer as festas regionais.

Com músicas marcantes, ela sempre vendeu a imagem do candomblé baiano para o mundo. Com o enredo “E o Povo na Rua Cantando. É Feito uma Reza, um Ritual...”, a Portela investe em tecnologia e efeitos especiais para tentar alcançar seu 23ª título.

Sem vencer há 32 anos, a Portela foi a única escola do Rio a receber sete títulos seguidos. Em busca do fim do jejum, o carnavalesco Paulo Menezes, que estreia na agremiação este ano, investe em festas típicas da Bahia como a lavagem do Bonfim e de Bom Jesus dos Navegadores.

Pronta para desfilar no carro abre-alas da Portela com a tradicional águia que simboliza a escola, a cantora Marisa Monte diz que sonha com o fim do jejum. O último título da Portela foi em 1980. “Todo portelense tem o sonho de acabar com o jejum”, disse.

Segundo ela, o samba da escola, que homenageia Clara Nunes, tinha tudo para empolgar o público na Sapucaí. “O samba é muito bacana, já pegou na concentração e espero que pegue na boca do povo dentro do Sambódromo.”

Marisa usou um vestido branco que simboliza as baianas. Ao seu lado esteve Paulinho da Viola, de terno branco. (Agência Estado)

Postar um comentário