Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Quem é de RH deve ter muito cuidado quando fala ao seu público!





Participei de um evento em agosto que tinha como tema as redes sociais e empregabilidade onde um sócio de uma consultoria de recursos humanos palestrou para uma platéia de 100 "cabeças", aparentemente desempregada.


Tendo em vista que um dos objetivos do evento era networking, como era o meu caso, obviamente, havia pessoas que estavam lá para conquistar clientes.

O palestrante, por já ter uma empresa constituída, era minha primeira opção para realizar a troca de cartões. Eis que, durante seu discurso de apresentação, o babaca diz: "Quem tem 10 ou 20 anos de formação, não é formado, tem de começar tudo de novo!"

Ora pois, existem maneiras e maneiras de se dizer que os profissionais devem se atualizar fazendo cursos na sua área. Ou seja, o problema não foi o que ele quis dizer, mas o quê e como ele disse.

Quem lida com pessoas (público) deve ter mais cuidado ao falar. Não é preciso ofender! E o pior foi ouvir uma única risada alta lá no fundo da sala. Provavelmente de algum puxa-saco.

Existem pessoas que não dão continuidade nos estudos por diversas razões, incluindo por falta de dinheiro e emprego. Entretanto, todos olham e dizem que o "fulano" não estuda por que é vagabundo.

Sr. palestrante, você vive no Brasil e aqui ainda é um luxo ter faculdade;

Sr. palestrante, você foi grosseiro e não sabe focar no seu público-alvo (concultoria de recolocação é pra níveis executivos, gerenciais, etc.). Informação essa que recebi por e-mail de sua própria empresa;

Sr. palestrante, quem disse que, para se reciclar, é preciso fazer MBA ou Pós numa instituição famosa? É como a leitura do livro. A sociedade está acostumada a incentivar leitura de livros pois adquirimos cultura e conhecimento. Mas, não valoriza a leitura da internet. Qual a diferença do escritor de livros para as pessoas que possuem blogs, por exemplo? Ambos, cometem o erro do "como, por exemplo" (são sinônimos) e do portanto sem vir entre vírgulas.

Conhecimento adquire quem quer, venha como vier. Tudo é válido!

Conversei com pessoas no seu evento que tinham diversas formações e nenhum emprego. Eu, por outro lado, com a minha formação "medíocre aos seus olhos", meus cursinhos complementares na minha área, meu inglê fluente, minhas leituras de livros e internet, estou empreendendo meu próprio negócio. Preciso dizer mais alguma coisa?

Enquanto uns precisam de qualificação, outros necessitam de reciclagem, respeito, ética...

A propósito sr. palestrante, para falar em público é necessário um português de qualidade. (Seje não dá). E existem muitos cursos pra isso!
Postar um comentário

Follow My Spotify Playlist!