Páginas

sexta-feira, 22 de abril de 2011

SEXTANIMAL - Cão Burne de Jaguariúna é referência internacional

Devido a necessidade de divulgar este caso bárbaro de agressão aos animais, a SEXTANIMAL de hoje não abordará mais os Peixes, isso ficará para a próxima semana. Nesta sexta, apesar de não ser um assunto tão atual, vou falar aqui sobre o cãozinho Burne que sofreu queimaduras graves e agora é referência internacional.

Fonte: Google Imagens
A história do cachorrinho Burne de Jaguariúna chamou a atenção para a situação de abandono e maus-tratos que, infelizmente, acontece diariamente, envolvendo as diferentes espécies animais, em especial gatos e cachorros de rua. O fato se tornou conhecido pelo socorro prestado por quem encontrou o cão e também pela persistência médica e o apoio de voluntários em prol da causa ao bem-estar de animais abandonados. O caso deste filhote da raça Pit bull, encontrado às margens da linha de trem no Cruzeiro do Sul com 70% da face queimada está comovendo as pessoas no Brasil e no exterior. Isso porque tanto os ferimentos do animal - supostamente provocados por óleo ou água quente - quanto a sua história de recuperação e tratamento, circularam em vídeos e fotos na internet, televisão e jornais. A palavra ‘burn’, que dá origem ao nome Burne, traduzido do inglês significa queimadura. Inicialmente, o cão foi chamado de Varejeira (uma referência às larvas de moscas que se desenvolveram no corpo do animal) e depois de Queimadinho. Os nomes traduzem parte da situação em que o animal foi encontrado, em 28 de fevereiro, por dois homens que trabalhavam no local, Valdemir e Daniel, seus atuais donos. Segundo apurado, não houve registro de Boletim de Ocorrência sobre o caso. “Ninguém queria o Burne e até eutanásia foi sugerida. Acreditei que seria possível uma segunda chance”, conta Danilo Testa, médico veterinário que prestou socorro ao animal voluntariamente e o acolheu em sua clínica, a Vet Clínica. O quadro clínico foi agravado pela desidratação e desnutrição e o cão superou as primeiras etapas do tratamento. “Não dava para ver os olhos do Burne. Foi necessário um tratamento para aliviar os sintomas da dor, sendo as de queimadura uma das piores; hidratação; limpeza das feridas; remoção de larvas; medicação; fluidoterapia; vacinação; vermifugação...”. Os detalhes aparecem quando Danilo comenta sobre as intervenções realizadas.



Visitas

O número de telefonemas na clínica onde Burne está internado duplicou em menos de uma semana, após a divulgação do caso na internet. Uma das atendentes estima que o salto foi de 20 para 40 ligações diárias, vindas de todas as partes do País para saber como está a evolução do tratamento. Manifestações de interesse pela adoção do animal também chegaram da Alemanha e de Portugal. 


Burne passa o dia brincando com uma poodle com quem divide o espaço, onde passa a maior parte do tempo. Ele também brinca com as pessoas que o visitam porque querem ver o personagem que ganhou espaço nos meios de comunicação. A pergunta comum é: “Quem teria provocado tal brutalidade?”.

Bem-estar X Popstar

Em recuperação, Burne aguarda as próximas etapas do tratamento para cirurgia reparadora com uma plástica para liberar a pele da face, procedimento necessário devido a uma exposição na conjuntiva ocular, explica o médico veterinário. Será feito após a cicatrização dos ferimentos, pois a pele ainda está repuxando nas áreas do corpo que foram afetadas. 






O médico reforça que no mundo cão não há preconceitos e que os procedimentos adotados no tratamento são necessários. “A cirurgia não é para garantir a estética, é reparadora e necessária para garantir ao animal as suas funções vitais normalizadas. A recuperação cirúrgica é fisiológica, a estética é uma consequência”, detalha Danilo.


Embora seja comum a referência à raça Pit bull como um animal agressivo, o médico veterinário ressalta que o temperamento do animal sofre influência direta na forma como é criado e tratado pelo seu dono. “Nesse ambiente em que o Burne está hoje, as probabilidades de traumas são mínimas”, observa Danilo ao lembrar que o cão chorou muito quando foi levado de volta ao local onde foi encontrado.


Fonte: Gazeta Regional




Links Relacionados:

Postar um comentário