Páginas

terça-feira, 19 de abril de 2011

Como podemos amar tanto assim?

Esta é mais uma semana que está sendo difícil para mim. Estou um pouco sem chão e, aos poucos, voltando à realidade. Claro, são 20 anos de espera que, apesar de ter conversado com a banda toda do Roxette, passou muito rápido e ficou a sensação de que não foi o suficiente. E se eu tivesse dito isso? E se eu tivesse feito assim? Porém, isso é o que menos importa. O que mais me abalou foi o fato de conhecê-los de verdade e participar, de uma certa forma, de uma decisão musical da banda. Na verdade, estou totalmente perdida por que meu olhos e coração estavam voltados inteiramente para os suecos. De repente, tudo acabou. Era uma grande paixão, pela música, pelo trabalho, pelas pessoas. Agora, só me resta conviver com a realidade.. é Paulo Brito narrando os jogos e cantando Roberto Carlos no Jornal do Almoço. Caraca, depois de absorver um pouco da cultura e educação suecas, como posso querer assistir à Gaiola das Loucas? Como ouvir Ivete Sangalo e assistir o Faustão. Desculpem, mas o Brasil tá pobre de cultura. Principalmente musical. Assim, fica difícil gostar daqui. Por favor, grandes artistas se apresentem, saiam de trás das cortinas e alegrem esse país. Ah,  mas o Roupa Nova é tri bom de ouvir! E, se você gosta de algum artista brasileiro de qualidade, coloca nos comentários.
Postar um comentário