Páginas

domingo, 16 de janeiro de 2011

Não estive conversando com Deus!

 Gostei do filme. É uma linda história!

Quando assisti ao filme Conversando com Deus, na Ulbra TV (Cine 48) deste sábado, percebi que, mais uma vez, não sei dizer ao certo se Ele existe ou não. Algumas pessoas relatam seus casos iluminados, mas, me pergunto: o que faz dessas pessoas especiais? E não vale dizer por que elas acreditam ou têm fé. Pois isso é como um pai admitir que não ama o filho por que ele é diferente. Voltando ao assunto.. Por que Deus não aparece pra mim? Ou, ao menos, fala comigo enquanto durmo? Faço esses questionamentos por que é difícil, por exemplo, ver aquele vizinho cheio de atitudes diretamente relacionadas com os 7 pecados capitais me dizer que tem um "dom". Não quero e não estou julgando essa pessoa, é apenas uma comparação. Também sou cheia de defeitos. Mas, por que ele fala com Deus?

Sabe, para mim, se houvesse um Deus, ele seria como um super herói. Alguém "mágico", diferente, que salva as pessoas de alguma maneira. Bom.. Talvez Ele seja!

A verdade é, independente de sua existência. Se é fruto de nossa imaginação ou se somos nós mesmos pois dizemos e fazemos muitas coisas explêndidas. Não importa! O que interessa é que todos os dias, de maneiras diferentes O descobrimos, O revelamos. Ele está no livros, nos filmes, nos amigos, na família. Nem sempre O percebemos por que deve ser despertado. No entanto, está lá.

Comentei do filme no início desse post por que foi uma manifestação divina pra mim. Descobri que estou no caminho certo. Porém, em se tratando de divindade, as que mais considero são a Chuva e o Vento. A primeira por que purifica, refresca e  modela. A segunda por que acaricia, acalma e alivia a alma. De qualquer forma, mesmo no meu meu mais involuntário ceticismo, está a presença de um ser divino. Se ele é Deus?! Não sei. Não estive conversando com Ele. Apenas parei para ouvir e só, então, pude compreender!


Postar um comentário